Natércia Tiba

Ter estilo é excelente, mas sem ser escravo da moda e sempre mantendo o bom senso. O conselho é da psicóloga Natércia Tiba, 36 anos. Mãe de Eduardo, 9, e Ricardo, 6, e cliente “de carteirinha” da Dani Lessa, Natércia encontrou um espaço na agenda para falar ao blog sobre a relação entre estilo e personalidade no universo infantil. Confira.

Dani Lessa – Muitas mães querem imprimir seus próprios gostos pessoais nos filhos. Isso é bom ou ruim? Qual o conselho que daria a elas?
Natércia Tiba – É muito importante que a mãe respeite o gosto do filho, mas, ao mesmo tempo, cabe a ela dar referências e ajudá-lo a desenvolver senso crítico. Deve também observar se a criança está mesmo desenvolvendo seu próprio estilo ou se vestindo de uma forma que agrade aos amigos, procurando aceitação através da aparência. Acredito que o estilo que a criança começa a apresentar, seus gostos, suas escolhas, dizem muito a respeito dela. É uma forma de comunicação a que os pais devem estar atentos.

Dani Lessa – A mãe deve deixar que a criança desenvolva seu próprio estilo na hora de escolher roupas e acessórios? Por quê?
Natéria Tiba – A mãe deve dar espaço para que a criança expresse seus gostos e preferências, o que não significa acatá-los. Ter os gostos respeitados ajuda a criança a desenvolver sua personalidade, sua forma de se apresentar aos outros; mas não podemos esquecer que ela precisa de referências e limites. Não podemos, por exemplo, dar espaço para decisões que não sejam pertinentes à idade. A mãe pode dar algumas opções para que a criança escolha – nada muito amplo, pois isso a deixa confusa e ansiosa.

Dani Lessa – O estilo próprio nas roupas e acessórios faz parte do desenvolvimento da personalidade?
Natércia Tiba – Sim, o estilo faz parte do desenvolvimento da personalidade, mas na infância essa influência é limitada. Como pais, precisamos ensinar a nossos filhos que ter estilo é muito gostoso, mas que seu valor não está na aparência, mas nas pessoas que são. Assim, eles aprendem a usar o estilo como algo prazeroso, sem se tornarem escravos dele.

 

Dani Lessa – Por que as crianças querem ser iguais aos amigos? Como os pais devem lidar com isso?
Natércia Tiba – A criança ainda não tem sua autoestima e sua personalidade consolidadas, é um “serzinho em construção”. Uma das formas de ela aprender seu valor é a aceitação por seus pares. Usar roupas e acessórios semelhantes cria uma identidade, é uma forma de dizer: “Olha, podemos ser amigos porque somos parecidos”.

Dani Lessa – Uniforme na escola: em sua opinião, é bom ou ruim? Por quê?
Natércia Tiba – Na minha opinião, uniforme escolar é excelente. A palavra “uniforme” significa “sempre igual; regular”. Isso é muito importante para que as crianças sejam valorizadas pelo que são, e não pela aparência. Acho ótimo que a escola seja um ambiente à parte, onde outros valores possam ser trabalhados.

Dani Lessa – Criamos produtos para quem não quer se vestir igual a todo mundo. Por que é bacana ter um visual original?
Natércia Tiba – Ao mesmo tempo em que o pertencimento por identidade é importante, sentir-nos único nos faz especiais. Acho muito saudável a criança ter roupas, tênis e mochilas que tenham a sua cara, que sejam lúdicos. Isso faz parte do universo infantil. É uma forma de ter estilo sem ser escravo de grifes; é ter sua própria moda sem acatar o que é ditado pelo mercado.
Os acessórios Dani Lessa são divertidos, adequados para a idade. Quando saímos, a própria mochila acaba sendo um brinquedo. São acessórios de criança com cara de criança, e isso me agrada muito.

Natércia Tiba
Site: www.naterciatiba.com.br
Blog: www.naterciatiba.wordpress.com
Twitter: http://twitter.com/#!/natercia_tiba


Entrevista feita por Ponto & Vírgula, em 07/2011, especialmente para Dani Lessa.

Related posts

Escreva um comentário

× Como posso te ajudar?